sexta-feira, 8 de junho de 2018

O amor ardente do Sagrado Coração de Jesus


Meditemos sobre o amor abrasado do Coração de Jesus Cristo por nós: “In caritate perpetua dilexi te; ideo attraxi te miserans – Com amor eterno te amei; por isso compadecido de ti, te atraí a mim” (Jr 31, 3).
Como compreender o abrasado e insondável amor do Sagrado Coração de nosso Senhor Jesus Cristo para conosco?! O Verbo divino e eterno não se contentou de nos ter criado de preferência a tantos outros, mas quis se fazer homem, escolheu uma vida penosíssima e morreu em uma cruz por amor a nós.
Este amor ardente levou Jesus Cristo a permanecer conosco no Santíssimo Sacramento e nele parece que não tem outro ofício senão o de amar os homens. Mais ainda, o amor levou o Filho de Deus a fazer-se nosso alimento, a fim de se unir a nós e de fazer dos nossos corações e do seu próprio uma só realidade. Sendo assim, porque correspondemos tão mal ao infinito amor de Jesus por nós?
O amor do Sagrado Coração de Jesus por cada um de nós
Oh! Se compreendêssemos o amor abrasado do Coração de Jesus para conosco! O Senhor nos ama tanto que, se todos os homens e todos os anjos se unissem para amar com todas as suas forças, não chegariam à milésima parte do amor que Ele tem por nós. Cristo nos ama imensamente, mais que nós mesmos nos amamos; Ele nos amou até ao excesso: “Dicebant excessum eius, quem completurus erat in Ierusalem – Falavam do excesso que havia de cumprir em Jerusalém” (Lc 9, 31). E que excesso de amor maior pode existir do que um Deus morrer pelas suas criaturas?
Jesus Cristo nos amou até ao fim: “Cum dilexisset suor, in finem dilexit eos – como amasse os seus, até o extremo os amou” (Jo 13, 1). Sim, porque, depois de Deus nos amar desde o princípio, – de forma que em toda a eternidade não houve nenhum instante em que não tenha pensado em nós e amado a cada um de nós – por amor a nós assumiu a natureza humana, escolheu uma vida penosa e a morte de cruz. Jesus nos amou mais que a sua honra, mais que seu repouso, mais que a sua vida, porquanto sacrificou tudo para provar o seu amor por nós. Não há em tudo isso um excesso de amor, que fará os anjos e os santos pasmarem por toda a eternidade?
O amor do Coração de Jesus no Santíssimo Sacramento
O Verbo de Deus encarnado nos amou ainda mais, a ponto de permanecer conosco no Santíssimo Sacramento, como num trono de amor. No Sacrário, Jesus está presente sob as aparências do pão, encerrado numa âmbula, por assim dizer, num completo aniquilamento da sua majestade, sem movimento e sem o uso dos sentidos, de forma que parece que não tem outro ofício a cumprir senão o de amar os homens. O amor faz desejar a presença contínua da pessoa amada e este amor fez Jesus Cristo desejar permanecer conosco no Santíssimo Sacramento.
Parece que, para o amor de nosso Senhor, era demasiadamente breve a permanência com os homens durante trinta e três anos. Pois, a fim de mostrar seu desejo de estar entre nós, decidiu fazer o maior de todos os milagres: a instituição da Santíssima Eucaristia. No mistério Pascal de Cristo, já estava realizada a obra da Redenção, já estavam os homens reconciliados com Deus. Então, para que serve a permanência de Jesus na terra, neste sublime Sacramento? Ah! Jesus permanece no Santíssimo Sacramento porque não pode se separar de nós e porque encontra as suas delícias em estar conosco.
O amor do Coração de Jesus e o Alimento de nossas almas
Não foi suficiente ao amor de Jesus Cristo fazer-se nosso companheiro na Santíssima Eucaristia, mas quis ainda fazer-se o sustento das nossas almas, a fim de se unir a nós e fazer com que nossos corações fossem uma só coisa com o seu próprio Coração: “Qui manducat meam carnem, in me manet et ego in illo – Quem come a minha carne, fica em mim e eu nele” (Jo 6, 57).
Ó pasmo! Ó excesso do amor divino! Dizia um servo de Deus: “Se alguma coisa pudesse fazer vacilar a minha fé no mistério da Eucaristia, não seria o modo como o pão se torna carne, nem como é que Jesus está em tantos lugares e reduzido a tão pequeno espaço; a tudo isso eu responderia que Deus pode tudo. Mas quando se me pergunta, como Jesus ama aos homens a ponto de se lhes dar para sustento, já não sei mais que responder, senão que esta verdade da fé está acima de minha inteligência e que o amor de Jesus é incompreensível”.

Oração de Santo Afonso ao Sagrado Coração de Jesus
Ó Coração adorável de meu Jesus, Coração consumido pelo amor aos homens, Coração criado de propósito para amar aos homens, como é possível que os homens correspondam tão mal a vosso amor e o desprezem? Ai de mim, miserável, que também fui um desses ingratos que não souberam amar-Vos! Meu Jesus, perdoai-me o grande pecado de não Vos ter amado, a Vós que sois tão amável e tanto me amastes, que nada mais podíeis fazer para me obrigar a amar-Vos. Reconheço que, por ter algum tempo desprezado vosso amor, mereceria ser condenado a não Vos poder amar. Mas não, meu amado Salvador, infligi-me qualquer castigo que não seja este. Dai-me a graça de Vos amar, e depois castigai-me como quiserdes. Como, porém, poderei recear tal castigo, visto que Vos ouço ainda intimar-me o doce, o amável preceito de Vos amar, meu Senhor e meu Deus: “Diliges Dominum Deum tuum ex toto corde tuo – Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração” (Mt 22, 37).

Sim, meu Deus, desejais o meu amor e eu Vos quero amar; e não quero amar senão a Vós, que me tendes amado tanto. Ó amor de meu Jesus, Vós sois o meu amor. Ó Coração abrasado de Jesus, abrasai também o meu coração. Não permitais que no futuro eu viva um instante sem o vosso amor. – Deixai-me antes morrer; aniquilai-me; não seja o mundo testemunha desta ingratidão, que eu, tão amado de Vós, depois de tantas graças e luzes recebidas, torne a desprezar o Vosso amor. Não, Jesus meu, não o permitais. Pelo sangue que por mim derramastes, espero que Vos amarei sempre e Vós sempre me amareis; e que este laço de nosso amor nunca mais será rompido em toda a eternidade. – Ó Mãe do belo amor, Maria, vós que desejais tanto ver vosso Jesus amado, ligai-me, estreitai-me a vosso Filho; mas estreitai-me de tal modo, que nunca mais dele me possa separar
Amém.

Imaculado Coração de Maria, rogai por nós!
Natalino Ueda
www.cancaonova.com

sexta-feira, 2 de março de 2018

Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba

Pequenos detalhes que fazem a diferença e unem a Igreja

  1. Não chegar atrasado. Lembre-se de que Deus está esperando você para enchê-lo com o seu amor, dar o seu perdão e um abraço, falar ao seu ouvido, e dizer o que o você precisa ouvir. Ele separou um lugar na mesa para você. Não o deixe esperando;
  2. Não usar roupas provocantes. Não use vestuário que possa chamar a atenção ou provocar (decote, minissaia e shorts);
  3. Não entre na igreja sem saudar o Senhor. Ao chegar, faça o sinal da cruz. Ele está lá, feliz por ver você. Agradeça-o, pois ele o convidou;
  4. Não tenha preguiça de fazer a reverência ou a genuflexão. Se você passar em frente ao altar, que representa Cristo, faça a reverência. Se passar pelo Sacrário, onde está Cristo, faça a genuflexão (tocar o chão com o joelho);
  5. Não masque chiclete nem coma ou beba. Só é permitida água e em caso de necessidade e por questão de saúde;
  6. Não cruze as pernas. O ato de cruzar as pernas é considerado pouco respeitoso. O seu corpo deve expressar a sua devoção;
  7. A mesma pessoa não deve fazer a Leitura e o Salmo. Se você vir um só leitor ou leitora, ofereça-se para ler, pois as Leituras e o Salmo devem ser proclamados por leitores diferentes (dois no meio da semana e três aos domingos ou dias festivos, quando há a Segunda Leitura);
  8. Não adicione frases quando for fazer as Leituras e o Salmo. Não leia as letrinhas vermelhas nem diga: “Primeira Leitura” ou “Salmo Responsorial”;
  9. Nunca recite o Aleluia antecipadamente. Não se adiante para dizer “Aleluia, Aleluia”. Espere alguns segundos, pois, certamente, alguém o cantará. Se nem o padre nem ninguém cantar, omita-o, mas nunca o recite;
  10. Não faça o sinal da cruz na proclamação do Evangelho. Você só deve fazer três cruzes pequenas: uma na fronte, outra nos lábios e a última no peito;
  11. Não responda no plural quando Credo é feito em forma de perguntas. Quem preside a Missa pode perguntar: “Creem em Deus Pai Todo Poderoso?” Neste caso, não responda “sim, cremos”, pois a fé é pessoal. Responda: “sim, creio”.
  12. Não recolha a oferta durante a Oração Universal. A oferta deve ser recolhida durante a apresentação dos dons, quando todos estão sentados e o padre agradece a Deus pelo pão e o vinho e purifica as mãos;
  13. Não se levante durante a apresentação dos dons. Às vezes, alguém se levanta e, por impulso, outros também ficam de pé. Talvez, ao ver o padre levantar o cálice e a hóstia, as pessoas pensam que já é a Consagração. Mas não é;
  14. Não se ajoelhe logo depois do “Santo”. É preciso esperar que o padre peça que o Espírito Santo transforme o pão e o vinho em Corpo e Sangue de Cristo. É neste momento que se deve ajoelhar-se (se houver sino, ajoelhe-se quando ele soar);
  15. Não ficar sentado durante a Consagração. Se você não consegue se ajoelhar, fique de pé, mas nunca se sente, a menos que seja por alguma doença. É falta de respeito com Cristo, que se faz presente no altar;
  16. Não dizer nada em voz alta durante a Consagração. Tem gente que, durante a Consagração, diz em voz alta: “Meu Senhor, Meu Deus”. Mas isso distrai quem está fazendo uma oração pessoal em silêncio;
  17. Não diga em voz alta: “Por Cristo, com Cristo, em Cristo…”. Só quem deve dizer isso é quem preside a Missa;
  18. Não saia do seu lugar para ir dar a Paz. Você só deve cumprimentar quem está perto de você, não outras pessoas, em outros bancos. Tampouco deve aproveitar para ir felicitar alguém ou dar pêsames;
  19. Se você não estiver preparado, não comungue. Você deve ter guardado o jejum eucarístico (não ter comido nem bebido nada uma hora antes de comungar) e não ter pecado grave;
  20. Não fazer somente uma fila de Comunhão (a do padre). Jesus está presente na Hóstia Consagrada, não importa se é a hóstia segurada pelo padre ou por um Ministro Extraordinário da Eucaristia, que é uma pessoa preparada e autorizada pela Igreja para distribuir a Comunhão na Missa e levá-la aos idosos e enfermos;
  21. Depois de comungar, não converse com os outros. Volte ao seu lugar e fale com o Senhor. Se você não comungou, faça uma comunhão espiritual e converse com Ele;
  22. Quando terminar a distribuição da Comunhão, não continuar cantando. O canto da Comunhão deve terminar quando a última pessoa receber a hóstia, para que haja um silêncio sagrado, em que cada pessoa entra em diálogo com Deus;
  23. Desligue o celular. Não fique mandando mensagens ou falando ao celular durante a Missa, pois isso distrai você e os outros. Dedique sua atenção ao Senhor, que está dedicando a atenção Dele a você;
  24. Não perca as crianças de vista. Ensine-as a aproveitar a casa do Pai e a se comportar na Missa;
  25. Não saia antes que a Missa termine. Não perca a bênção fina, através da qual o padre o envia ao mundo para dar testemunho em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Saia da Igreja com um propósito novo, que tenha sido inspirado no Senhor, para edificar o mundo, seu Reino de amor.

Fonte: https://pt.aleteia.org/2018/01/16/coisas-que-voce-nao-deve-fazer-na-missa-e-talvez-nao-saiba/

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Mensagem para refletir



Um jovem chega para o padre e diz:
*- Padre não irei mais para a igreja!*
O padre então respondeu: 
- Mas por que?
O jovem respondeu:
- Ah! eu vejo a irmã que fala mal de outra irmã; o irmão que não lê bem; o grupo de canto que vive desafinando; as pessoas que durante as missas ficam olhando o celular, entre tantas e tantas outras coisas erradas que vejo fazerem na igreja.
Disse-lhe o padre:
- Ok! Mas antes quero que vc me faça um favor: pegue um copo cheio de água e dê três voltas pela igreja sem derramar uma gota de água no chão. Depois disso, você pode sair da igreja. 
E o jovem pensou: muito fácil! 
E deu as três voltas conforme o padre lhe pedira. Quando terminou disse: 
- Pronto padre.

E o padre respondeu: 

- Quando vc estava dando as voltas, você viu a irmã falar mal da outra? 
O jovem: 
- Não

Vc viu as pessoas reclamarem uns dos outros?
O jovem:
- Não
Você viu alguém olhando celular?
O jovem: 
- Não
Sabe porquê?
- Você estava focado no copo para não derrubar a água.
O mesmo é na nossa vida. Quando o nosso foco for Nosso Senhor Jesus Cristo, não teremos tempo de ver os erros das pessoas.

*QUEM SAI DA IGREJA POR CAUSA DE PESSOAS, NUNCA ENTROU POR CAUSA DE JESUS.* 

🙏😘

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Renascidos e perseverantes no amor de Cristo!


O tempo do Natal encerra-se, nesta segunda-feira, dia 08 de janeiro de 2018 com a Festa do Batismo do Senhor. A liturgia tem como cenário de fundo o projeto salvador de Deus. No batismo de Jesus, por São João Batista, nas margens do Jordão, revela-se o Filho amado de Deus, que veio ao mundo enviado pelo Pai, com a missão de salvar e libertar os homens. Cumprindo o projeto do Pai, Ele fez-se um de nós, partilhou a nossa fragilidade e humanidade, libertou-nos do egoísmo e do pecado e empenhou-Se em promover-nos, para que pudéssemos chegar à vida em plenitude.
O Batismo de Jesus marca o início de seu ministério público. Jesus, o enviado do Pai, é agora manifestado como seu Filho amado; e, com a unção do Santo Espírito, é investido da missão de Profeta, Sacerdote e Rei. Essa tríplice missão é manifestada nas curas realizadas por Jesus, nos exorcismos, nos ensinamentos, e, sobretudo, no mistério pascal, em sua paixão, morte e ressurreição, para onde toda a sua atividade pública aponta e onde essa atividade encontra o seu ápice.

A primeira leitura(Is 42,1-4.6-7) anuncia um misterioso “Servo”, escolhido por Deus e enviado aos homens para instaurar um mundo de justiça e de paz sem fim. Investido do Espírito de Deus, ele concretizará essa missão com humildade e simplicidade, sem recorrer ao poder, à imposição, à prepotência, pois esses esquemas não são os de Deus. No Batismo de Jesus, ele é manifestado ao mudo como o Filho de Deus, “que não esmorecerá nem se deixará abater, enquanto não restabelecer a justiça na terra”(cf. Is 42,4).
No Evangelho(Mc 1,7-11), ressalta-se a concretização da promessa profética: Jesus é o Filho/”Servo” enviado pelo Pai, sobre quem repousa o Espírito e cuja missão é realizar a libertação dos homens. Obedecendo ao Pai, Ele tornou-Se pessoa, identificou-Se com as fragilidades dos homens, caminhou ao lado deles, a fim de os promover e de os levar à reconciliação com Deus, à vida em plenitude. No Batismo de Jesus, o Pai declara: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho meu bem-querer!”(Mc 1,11)

São João Batista sabia que por mais que o batismo nas águas significasse que o interior do ser havia se conscientizado do pecado e do amor de Deus em implantar seu Reino entre os arrependidos, esse batismo não era suficiente para fazer o homem a mudar seu instinto natural ao pecado, necessitando da intervenção divina na vida do ser, o que só se realizaria com o batismo com o Espírito Santo que só Jesus pode promover.
Para que essa possibilidade se tornasse realidade, Jesus cumpriu o rito do batismo do arrependimento, mesmo sendo Ele um Rabi, que quer dizer Mestre. Esse batismo do arrependimento de Jesus foi também Seu batismo com e no Espírito Santo, uma vez que o Espírito Santo desceu como uma pomba sobre Ele. E uma voz se fez ouvir: Tu és o meu Filho querido e me dás muita alegria. Se Jesus sendo um dos mestres judaicos, em se “arrependendo” e do ponto-de-vista demonstrado na bíblia de que Cristo padeceu na carne do todo tipo de tentação e inclinação carnal, portanto passível de arrependimento também como homem, abriu a possibilidade para que Deus desse de Seu Espírito para Ele, então essa possibilidade também está aberta a todos que assim o desejem! Esse objetivo divino -fazer com que Seu Espírito faça habitação em todos os que se arrependem- é cumprido em Cristo em seu batismo no Rio Jordão. E o júbilo do Senhor em ver esse objetivo cumprido em Jesus é traduzido por seu inesperado rompante declarando Sua alegria em ver seu filho amado cumprindo Sua vontade. O Espírito Santo é Deus nos guiando em toda a verdade, fazendo florescer os dons –em especial o do amor- e dando-nos a capacitação para mudarmos nossa mentalidade corrompida, frutificando em obras e vida plena.
A segunda leitura(cf. At 10,34-38) reafirma que Jesus é o Filho amado que o Pai enviou ao mundo para concretizar um projeto de salvação; por isso, Ele “passou pelo mundo fazendo o bem” e libertando todos os que eram oprimidos. É este o testemunho que os discípulos devem dar, para que a salvação que Deus oferece chegue a todos os povos da terra.

Renovado as nossas promessas batismais, com nosso empenho de anúncio, vivencia e testemunho do Evangelho possamos rezar: “Concedei aos vossos filhos adotivos, renascidos da água e do Espírito Santo, perseverar constantemente em vosso amor”.

Dia de Reis e da Epifania do Senhor


O Dia de Reis e da Epifania do Senhor é uma solenidade de origem oriental, nos lembrando o a reveleação da declaração e a aparição o significado da divindade de Jesus Cristopara o mundo pagão através dos Reis Magos.
É uma das festas mais tradicionais da igreja, o Dia de Reis é celebrado por todos os católicos do mundo, relembrando a visita dos reis magos vindos do oriente para adorar Jesus.
O termo “mago” vem do antigo idioma persa e serviu para indicar o país de suas origens: a Pérsia. Eram reis, porque é um dos sinônimos daquela palavra, também usada para nomear os sábios discípulos de uma seita que cultuava um só Deus. Portanto, não eram astrólogos nem bruxos, ao contrário, eram inimigos destas enganosas artes mágicas e misteriosas.
Os Reis Magos esperavam ansiosamente pela vinda do Senhor, que mesmo entre os pagãos era aguardado, tamanha a importância da vinda de Jesus Cristo ao mundo, então sendo assim Deus recompensou estes homens conhecidos por sua retidão e justiça com a Estrela de Davi para que a seguissem e encontrassem o Filho Unigênito do Pai.
Como é conhecido da história os três reis magos chegaram até o local de nascimento de Jesus, e ali entregaram a ele os presentes que são os sinais da realeza do filho de Deus:
O Insenso: representando a essência divina de Cristo.
A Mirra: representando a essência humana.
O Ouro: representando a realeza e a importância de Jesus.

Por muito tempo os Três Reis Magos: MelquiorGaspar e Baltazar tiveram seus tumulos mantidos no local de seus falecimentos, porém no ano de 474 seus restos foram sepultados em Constantinopla (atual Istambul na Turquia), que era a cidade cristã mais importante no Oriente, anos mais tarde foram levados para a Itália na cidade de Milão, e no ano de 1164 foram levados para a Alemanha na cidade de Colônia, onde foi construída a Catedral dos Reis Magos que guarda seus restos até hoje.
Durante o século XII, com grande inspiração, São Beda, doutor da Igreja, descreveu o rosto dos três reis magos, assim: “O primeiro, diz, foi Melquior, velho, circunspecto, de barba e cabelos longos e grisalhos… O segundo tinha por nome Gaspar e era jovem, imberbe e louro… O terceiro, preto e totalmente barbado chamava-se Baltazar (cfr. “A Palavra de Cristo”, IX, p. 195)”.
Deus revelou seu Filho ao mundo e ordenou que o acatassem e seguissem. Os reis magos fizeram isto com toda humildade, gesto que simboliza o reconhecimento do mundo pagão desta Verdade. Isso é o mais importante a ser festejado nesta data. A revelação, isto é, a Epifania, que confirma a divindade do Santo Filho de Deus feito homem, que no futuro sacrificaria a própria vida em nome da salvação de todos nós.