sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Jesus não faz nada pela metade


O Papa refletiu sobre o milagre da multiplicação dos pães. Francisco afirmou:

“Assim era Jesus, sempre com a compaixão. Sempre pensando nos outros”.

O Papa destacou uma reação de Jesus diante da multidão:

“Jesus não é frio, não tem um coração frio. Jesus é capaz de se comover”.


Silêncio

Todavia – recordou o Papa – mesmo sentindo-Se ligado à multidão e sem querer que essa vá embora, Cristo tem necessidade de momentos de solidão, “de oração com o Pai: e muitas vezes passa a noite rezando ao Pai”, disse Francisco.

E, assim, mais uma vez, Jesus se dedica ao povo. “A sua compaixão não é um sentimento vago; mostra toda a força da Sua vontade de estar próximo a nós e de nos salvar”.

“Nos ama muito, Jesus, e quer estar próximo a nós”.

Nascer e renascer

Ao reiterar que o “Senhor vai ao encontro das necessidades do homem”, mas que, todavia, quer que cada um de nós participe concretamente da sua compaixão, o Papa traçou um paralelo entre o milagre dos pães e a Eucaristia.

“A comunidade cristã nasce e renasce continuamente desta comunhão eucarística” – prosseguiu o Papa – “Jesus quer chegar a todos, para levar a todos o amor de Deus. Por isso, faz de cada fiel um servidor da misericórdia”.

“Assim, Jesus vê a multidão, sente compaixão, multiplica os pães – e o mesmo faz com a Eucaristia – e nós fiéis que recebemos este dom, somos incentivados por Jesus a levar este serviço aos outros, com a mesma compaixão de Jesus”.

Tudo!

O Papa então conclui sua reflexão recordando que todos ficaram saciados.

“Quando Jesus com a sua compaixão, com o seu amor nos dá uma graça, perdoa os nossos pecados, nos abraça, nos ama, nunca faz pela metade. Tudo! Como aconteceu aqui. Todos se saciaram. Jesus preenche o nosso coração, a nossa vida, do seu perdão, da sua compaixão”.

Fonte: Rádio Vaticano / Audiência Geral

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Viva a plenitude de sua vida



Muitas pessoas querem viver a vida como se não houvesse amanhã, no entanto, viver uma vida plena não quer dizer que você deva viver tudo o que acha certo. Lembre-se de que viver a plenitude de sua vida é vivê-la completamente, é buscar alcançar os bons momentos que vão deixá-lo feliz e, assim, ajudar a conquistar a plenitude.

Dizemos que “Tudo posso n’Aquele que me fortalece”. O “tudo posso” é referente a viver a vontade de Deus em sua vida, e não viver a sua vontade e dizer que foi Deus quem mandou. Cuidado com as atitudes que você tem e não fique dizendo ser vontade de Deus quando na realidade não são. Viver a plenitude é viver dentro dos limites corretos.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

O sentido da vida


A vida tem duas faces: positiva e negativa.

O passado foi duro mas deixou o seu legado, saber viver é a grande sabedoria. Que eu possa dignificar minha condição de mulher, aceitar suas limitações e me fazer pedra de segurança dos valores que vão desmoronando.

Nasci em tempos rudes aceitei contradições, lutas e pedras como lições de vida e delas me sirvo, aprendi a viver.

Não sei se a vida é curta ou longa demais pra nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.


Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.

E isso não é coisa do outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.

O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada.

Caminhando e semeando, no fim terás o que colher. Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.

A verdadeira coragem é ir atrás de seus sonhos mesmo quando todos dizem que ele é impossível. Fechei os olhos e pedi um favor ao vento: leve tudo que for desnecessário. Ando cansada de bagagens pesadas... Daqui para frente levo apenas o que couber no bolso e no coração.

Desistir... eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério;

é que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.

Cora Coralina

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Ame o seu próximo


Existem pessoas que estão precisando de um aperto de mão, um sorriso ou um abraço apertado. Existem pessoas que não carregam mais o brilho da esperança no olhar, que perderam a fé e deixaram os seus sonhos e planos escaparem por entre os dedos. Existem também pessoas carentes de amor que vivem pela dor, que passam as noites tendo o céu como o seu teto e o frio como companhia, que vivem de restos tanto para comer como para se manter de pé. 

É preciso deixar de olhar somente pra si e olhar para quem está ao seu lado, estender a mão sem esperar por algo em troca e ajudar quem necessita de ajuda. É necessário se doar pelo próximo e perceber que podemos transformar as lágrimas de tristezas de alguém em lágrimas doces de alegria. Não podemos dar a solução para os problemas, mas podemos fazer surgir sorrisos em alguns rostos cansados. As mudanças, por menores ou maiores que sejam, quem faz somos nós.

BOM DIA E UMA EXCELENTE SEMANA ABENÇOADA PELAS MÃOS DO NOSSO CRIADOR!
Amém...

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

5 obstáculos que impedem de sentir a real presença de Deus - Papa Francisco


“É a misericórdia que salva”. Inspirado nesta afirmação do Evangelho de Mateus, o Papa Francisco conduziu a Audiência Geral de quarta-feira (7/9) e citou a dúvida da “noite escura no coração” de João Batista, que não entendia o “estilo muito diferente” de agir de Cristo – “o instrumento concreto da misericórdia do Pai”.

“A justiça que João Batista colocava ao centro da sua pregação, em Jesus se manifesta em primeiro lugar como misericórdia. Esta passa a ser a síntese do agir de Jesus, que desta maneira torna visível e tangível o agir do próprio Deus”.

Uma mensagem muito clara também para a Igreja, afirmou o Papa:

“Deus não mandou seu Filho ao mundo para punir os pecadores tampouco para destruir os maus. A eles é feito o convite à conversão para que, vendo os sinais da bondade divina, possam reencontrar a estrada do retorno”.

Ao recordar novamente o Evangelho de Mateus, no trecho em que Jesus diz “bem-aventurado aquele que não vê em mim motivo de escândalo”, o Papa explicou que “escândalo significa obstáculo”.

“A advertência de Jesus é sempre atual: também hoje o homem constrói imagens de Deus que lhe impede de sentir a sua real presença”.


A partir desse aviso, Francisco elencou 5 destes obstáculos atuais:

1. “Alguns tecem uma fé ‘faça você mesmo’ que reduz Deus ao espaço limitado dos próprios desejos e das próprias convicções. Mas esta fé não é conversão ao Senhor que se revela, ao contrário, impede-O de provocar a nossa vida e a nossa consciência”.

2. “Outros reduzem Deus a um falso ídolo; usam seu santo nome para justificar os próprios interesses ou até mesmo o ódio e a violência”.

3. “Para outros Deus é somente um refúgio psicológico no qual estar seguro nos momentos difíceis: trata-se de uma fé dobrada em si mesma, impermeável à força do amor misericordioso de Jesus que conduz em direção aos irmãos”.

4. “Outros ainda consideram Cristo somente um bom mestre de ensinamentos éticos, um entre tantos na história”.

5. “Finalmente, há quem sufoca a fé em uma relação puramente intimista com Jesus, anulando o seu impulso missionário capaz de transformar o mundo e a história.

“Nós cristãos acreditamos no Deus de Jesus Cristo, e o seu desejo é aquele de crescer na experiência viva do seu mistério de amor”, afirmou o Papa – e concluiu:

“Tenhamos o compromisso de não colocar nenhum obstáculo ao agir misericordioso do Pai, e peçamos o dom de uma fé grande para que também nós sejamos sinais e instrumentos de misericórdia”.


Fonte: Rádio Vaticano