quinta-feira, 25 de maio de 2017

Audiência: Jesus nos oferece a "terapia da esperança" - Papa Francisco


Em sua catequese, o Pontífice comentou a experiência dos dois discípulos de Emaús, de que fala o Evangelho de Lucas. Dois homens caminhavam desiludidos após a morte de Jesus. Caminhavam tristes, porque viram morrer as esperanças que tinham depositado em Jesus, sendo a cruz erguida no Calvário o sinal mais eloquente da derrota que não tinham previsto.

O encontro de Jesus com os dois discípulos parece casual. Caminham pensativos e um desconhecido se aproxima: é Cristo, que então começa a sua “terapia da esperança”. “Quem a faz? Jesus. Antes de tudo, pergunta e escuta, pois o nosso Deus não é um Deus intrometido”, disse o Papa.

Mesmo conhecendo o motivo da desilusão, deixa que falem de sua amargura. O resultado é uma confissão que mais se parece com um refrão da existência humana: “Nós esperávamos, mas…”. 

“Quantas tristezas, quantas derrotas, quantas falências existem na vida de cada pessoa! No fundo, somos todos um pouco como esses dois discípulos. Quantas vezes nos encontramos a um passo da felicidade e ficamos desiludidos. Mas Jesus caminha com todas as pessoas cabisbaixas. E caminhando com elas, de forma discreta, lhes restitui a esperança.”

A verdadeira esperança passa através de derrotas. Nos Livros Sagrados, não se encontram histórias de heroísmo fácil, nem campanhas fulminantes de conquista. Deus não gosta de ser amado como um General que leva o seu povo à vitória, aniquilando os adversários. A presença do Senhor lembra uma chama frágil que arde num dia de frio e vento; e, para aparecer ainda mais frágil esta sua presença neste mundo, foi esconder-Se num lugar que todos desdenham.

Com os dois discípulos, Jesus repete o gesto fulcral da Eucaristia: tomou o pão, pronunciou a bênção e, depois de parti-lo, o entregou. Neste gesto está também o significado de como deve ser a Igreja: o destino de cada um de nós. Jesus nos toma, pronuncia a bênção, e espedaça a nossa vida – porque não há amor sem sacrifício – e a oferece aos outros, a todos.

O encontro de Jesus com os dois discípulos é rápido. Mas nele está todo o destino da Igreja. Nos fala que a comunidade cristã não está fechada numa cidadela fortificada, mas caminha no seu ambiente mais vital, isto é, na rua. E ali encontra as pessoas, com suas esperanças e suas desilusões. A Igreja oferece escuta a todos, para depois oferecer a Palavra de vida. E então o coração das pessoas volta a arder de esperança.

"Todos na nossa vida tivemos momentos difíceis, momentos em que caminhávamos tristes, desiludidos, sem horizonte, somente com um muro diante de nós. Jesus sempre está do nosso lado, para nos dar esperança. Para nos aquecer o coração. Ele nos diz: vai avante, estou com você, prossiga."

O segredo do caminho que conduz a Emaús está aqui: apesar das aparências contrárias, nós continuamos a ser amados por Deus; Ele jamais deixará de nos querer bem.

“Deus caminhará conosco sempre, sempre, mesmo nos momentos mais dolorosos, nos momentos mais duros, de derrota. Ali está o Senhor. E esta é a nossa esperança, prossigamos com esta esperança, porque Ele está do nosso lado caminhando conosco, sempre!”

Fonte: Rádio Vaticano

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Mensagem para refletir...


A nossa alegria supera nossa tristeza, nosso consolo supera nossa dor, nossa fé supera nossa dúvida, nossa esperança supera nosso desespero, nosso entusiasmo supera nosso desânimo, nosso sucesso supera nosso fracasso, nossa coragem supera nosso medo, nossa força supera nossa fraqueza, nossa perseverança supera nossa inconstância, nossa paz supera nossa guerra, nossa luz supera nossa escuridão, nossa voz supera nosso silêncio, nossa paciência supera nossa impaciência, nosso descanso supera nosso cansaço, nosso conhecimento supera nossa ignorância, nossa sabedoria supera nossa tolice, nossa vitória supera nossa derrota, nossa ação supera nosso tédio, nosso ganho supera nossa perda, nossa resistência supera nossa fragilidade, nosso sorriso supera nosso choro, nossa gratidão supera nossa ingratidão, nossa riqueza supera nossa pobreza, nosso sonho supera nossa realidade... 
Nosso amor a Deus, ao próximo, à vida, nos faz superar tudo!
Bom final de semana meus irmãos em Cristo Jesus!

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Oração: Alguém para amar - Teresa de Calcutá


Senhor,
Quando eu tiver fome,
dai-me alguém que necessite de comida.
Quando tiver sede,
dai-me alguém que precise de água.
Quando sentir frio,
dai-me alguém que necessite de calor.
Quando tiver um aborrecimento,
dai-me alguém que necessite de consolo.


Quando minha cruz parecer pesada,
deixe-me compartilhar a cruz do outro.
Quando me achar pobre,
ponde a meu lado alguém necessitado.
Quanto não tiver tempo,
dai-me alguém que precise de alguns dos meus minutos.
Quando sofrer humilhação,
dai-me ocasião para elogiar alguém.

Quando estiver desanimada,
dai-me alguém para lhe dar novo ânimo.
Quando sentir a necessidade da compreensão dos outros,
dai-me alguém que necessite da minha.
Quando sentir necessidade de que cuidem de mim,
dai-me alguém que eu tenha de atender.
Quando pensar em mim mesma,
voltai minha atenção para outra pessoa.

Tornai-nos dignos, Senhor, de servir nossos irmãos que vivem e morrem pobres e com fome, no mundo de hoje. Dai-lhes, através das nossas mãos, o pão de cada dia e dai-lhes, graças ao nosso amor compassivo, a paz e a alegria.

Santa Teresa de Calcutá (1910/1997)
Fundadora das Missionárias da Caridade


quarta-feira, 26 de abril de 2017

Bênção do Lar - Oração


Deus, Pai de misericórdia,
criador de todas as coisas,
invocamos o Seu Espírito Santo
sobre este lar e seus moradores.

Assim como visitaste e abençoaste
a casa de Abraão, de Isac e de Jacó,
visita-os e guarda-os na Tua luz.


Guarda estas paredes de todos os perigos:
do incêndio, da inundação, do raio,
dos assaltos, de todo e qualquer mal.

Venham teus anjos portadores de paz!
Suplicamos também a proteção e a saúde
para todos os que aqui habitam.

Afasta-os da divisão e da falta de fé.
Abençoa e guarda este lar e todos os que o visitam.

Por Cristo nosso Senhor. Amém!

terça-feira, 25 de abril de 2017

O que significa a palavra Aleluia

E por que é usado tanto durante a Páscoa?

Durante os 40 dias de Quaresma a palavra “Aleluia” desapareceu da liturgia da Igreja. Nunca é dito nem uma vez. Então durante a Vigília Pascal, o padre entoa o grande Aleluia e parece que a Igreja não pode parar de repetir esta palavra repetidamente. Por que é que?
O que isso significa de qualquer maneira, e por que ele está tão intimamente associado com a estação da Páscoa?
Aleluia (às vezes escrito “Hallelujah”) é enraizado em uma expressão hebraica que significa “louvar o Senhor”. É encontrado na maioria das vezes como um tipo de antífona que é repetido no final dos Salmos. Encontra-se também no livro de Tobit, onde é referenciado como um hino de louvor a ser cantado na nova Jerusalém.
As portas de Jerusalém serão construídas de safira, e de esmeralda, e todas as suas paredes em redor de pedras preciosas. Todas as suas ruas serão pavimentadas com pedras brancas e limpas; e Aleluia será cantada em suas ruas. (Tobias 13,22)
Não surpreendentemente, também é encontrado no livro do Apocalipse.

Depois destas coisas ouvi como se fosse a voz de muita gente no céu, dizendo: Aleluia. Salvação, e glória, e poder é para o nosso Deus. Porque os seus juízos são verdadeiros e justos, que julgou a grande prostituta que corrompeu a terra com a sua prostituição, e vingou o sangue dos seus servos, às suas mãos. E novamente disseram: Aleluia. E a sua fumaça sobe pelos séculos dos séculos. E os vinte e quatro anciãos, e os quatro seres viventes, caíram e adoraram a Deus que estava assentado sobre o trono, dizendo: Amém; Aleluia. E uma voz saiu do trono, dizendo: Louvai ao nosso Deus, todos os seus servos; E vós que o temeis, pequenos e grandes. E ouvi como a voz de uma grande multidão, como a voz de muitas águas e como a voz de grandes trovões, dizendo: Aleluia: porque o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso, reinou. Alegremo-nos e exultemos, e glorifiquemos-lhe; Porque o matrimônio do Cordeiro chegou, e sua mulher se preparou. (Apocalipse 19, 1-7)
São Jerônimo é responsável pela tradução da expressão hebraica para a palavra “Aleluia” na Vulgata Latina, que foi usado na liturgia romana. É e sempre foi uma expressão de louvor, glorificando a Deus pela sua bondade. Por esta razão Alleluia está intimamente associado com uma época de alegria, e está em contraste com a atitude penitencial sombrio da Quaresma.
A Páscoa é um período de grande alegria e exultação, e cantando Aleluia é o caminho da Igreja para destacar esta realidade, continuamente dando louvor e honra a Deus.
Então, se você precisar de uma curta oração que louve a Deus, simplesmente diz: “Aleluia!”